É a Emoção que cria o Pensamento, ou seria Esse o genitor da Primeira?

Seja Bem-Vindo ao meu Mundinho

Sente-se e aconchegue-se

E volte sempre

segunda-feira, 12 de junho de 2017


Eram 19 horas quando eu cheguei ao Salão de Beleza da Lavínia, porém minha amiga não estava. Ela tinha ido comprar algo para comer, tipo, Brownie. Eu fiquei no salão sentadinho, esperando com minha paciência inútil, enquanto eu ouvia as conversas singulares de Salão de Beleza, que muitas vezes são bem engraçadas, para não dizer trágicas. Ao começar a conversar com a manicure sobre coisas triviais, uma de suas clientes chegou e começou a discutir sobre um casamento: eu tive um insight para esse post, mas primeiro vamos nos situar na conversa.

A Cliente - uma loira muito bonita e bem vestida, toda padronizada no estilo "Fitness", quase uma Andressa Urach, que chamarei de Vivian - estava divagando sobre uma 'suposta amiga', da qual ela seria convidada para o casamento. Até aí, tudo bem. Ansiedade para parecermos bonitos em qualquer casamento é algo natural.

O problema foi essa frase: " Mas eu nunca me casaria gorda como ela está. Não é perfeccionismo, mas noivo e noiva têm que estar no peso para sair bem nas fotos.".

Engoli seco a sentença. foi bem dolorido... Continuei a conversa até minha amiga chegar e fomos tomar um café (porque ela já tinha comido, mas eu não!), porém levei a frase comigo. Fui para casa depois do café, então. Fiquei pensando: Quem é Vivian para dizer que uma pessoa pode ou não entrar num vestido de noiva? Quem determina que só os magrinhos têm esse direito?

E fiquei divagando... Realmente, Vivian estava certa sobre a  "opinião", pois não era perfeccionismo, ela só esqueceu de definir: era  PRECONCEITO mesmo, muito conhecido como gordofobia. Perfeccionismo é, antes de tudo, "tendência de obstinar-se em fazer as coisas com perfeição.". E se Vivian tivesse refletido um pouco mais, ela perceberia que ser Gordinha não é imperfeição! Porém, preconceito é outra coisa...
Esse preconceito contra pessoas maiores que se reforça em uma mídia nojenta e inatural cria padrões excludentes e debilitantes, fazendo que vários procurem se encaixar, sem mencionar as patologias que se derivam desse "encaixe".
Uma pessoa corpulenta não precisa se sentir menos apta a entrar em um vestimenta de casamento por causa de seu tamanho.

Por quê?


  • Porque o que realmente encaixa em um vestido de noiva ou terno de noivo é a Felicidade, ma chérie. É a Felicidade de saber que nós encontramos alguém que nos ama ao ponto que ele ou ela decide estar conosco pelos anos e anos vindouros. Que se vestimos 38 ou 52 será a mesma coisa.
  • Cabe em uma festa de casamento a alegria de compartilhar nosso momento de realização íntima com aqueles que conseguem ver nossas aspirações e nossas inseguranças, e estarem lá para darem o total apoio. É também cabível a lucidez em saber que a aquela festa foi feita para, primeiramente, a celebração do Amor, com a possibilidade econômica dos envolvidos.
  • Encaixa-se em uma cerimônia religiosa a Fé de se estar seguindo uma trajetória envolvida pela Espiritualidade à qual o casal crê e se norteia.
  • Cabe na cerimônia civil a legalidade e um compromisso com a Sociedade na qual esse casal se insere.
  • Cabe nas alianças as Mãos determinadas que estão construindo paulatinamente um futuro incerto, mas esperançoso!

E as fotos? São apenas para confirmarem e eternizarem todos esses sentimentos acima citados. Mesmo se elas não existirem, a Felicidade não é menor ou menos plena, pois o que esse casal estará vivendo junto dos seus é pode ser restrito ou definido a nenhum papel fotográfico

Por isso tudo, Vivian, eu começo a achar que é você quem NÃO cabe nesse casamento....




segunda-feira, 8 de maio de 2017


"Mente deve ser igual a para-quedas: melhor aberta que fechada".
Frase bem clichê encontrada em qualquer caminhão em uma rodovia todo lugar. Mas bem simples e verdadeira. Não é uma questão de promiscuidade, libertinagem, vivenciar uma anarquia ou qualquer outra coisa do tipo. É sobre compreensão e liberdade.
Mas, o que é ser livre? o que é ser compreensivo? Como posso vivenciar esses dois sentimentos? Vamos ver esses dois "amigos" inseparáveis logo à frente....

Ser livre, primeiramente, não significa viver sem regras. Pois, isso é "anarquia e libertinagem", em que regras e condutas são ignoradas, são infringidas ou se tornaram inexistentes há longo tempo.
Ser livre é não se prender ao que te faz mal, não se apaixonar pelo que te segura, não se dedicar ao que não te acrescenta e não te deixa evoluir, norteadamente pelo seu próprio caráter, sua ética e sua moral. É, basicamente, viver com autenticidade e veracidade a sua realidade, sem estar acorrentado à Dor inútil, ao Preconceito desnecessário e, principalmente, à falta de Amor, ao passo que você consiga conviver com sua própria Sombra, com suas mesmas Falhas e com seus Erros.
Ser livre é permitir-se Amar sem pré-julgamentos, os quais sempre nos afastam de momentos de alegria. . É chorar quanto as lágrimas lhe vierem forte e verdadeiramente. É rir com a sinceridade de uma criança, que se diverte de todo o coração.
Ser livre também não é um estado; mas um processo de construção interna que se manisfesta no seu comportamento diário. Ser livre te permite testar novos sabores sem ter aquele sentimento de culpa, Ser livre nasce da sua parte mais sincera, da sua parte mais intrínseca.

E ser compreensivo, o que é?
Ser compreensivo é ir, antes de qualquer coisa, além de aturar e suportar tudo do outro. Ser compreensivo é vestir o sapato do outro e perceber "seus calos, o rasgado do seu couro ou o desgaste da sola vivida e batida  ." É ver na imperfeição do outro não uma forma de humilhá-lo ou julgá-lo, mas sim, uma forma de amá-lo ainda mais, lembrando que o mesmo possui suas limitações, como você também as tem. É não exigir de uma Macieira um abacate! É lembrar que cada um aprende coisas em formas e em tempos diferentes - ou até mesmo, não apreendem! E como nossa amiga liberdade, ser compreensivo é deixar-se aprender, é deixar-se questionar, é antes de tudo se permitir.

Portanto, perguntas surgem e as respostas também:
Eu conheço tudo? (Graças a Deus!) Eu não.
Eu posso dizer, sem sobras de dúvidas, que posso modificar aquilo ou isso em uma pessoa? (Graças a Deus!) Eu não.
Eu consigo me aprofundar? (Graças a Deus!) Eu consigo!

Então, vá além das respostas evidentes, voe sobre terras desconhecidas, aterrize nelas e conheças sua planícies, seus morros, lagos  faunas e riachos.
Aprenda. Sinta os novos ares respeitando suas formação. Coloque seus pés nessas terras, com muita empatia, e você pode se surpreender.


terça-feira, 18 de abril de 2017



Esses dias, eu estava (re)lendo o Blog de uma amiga linda que eu tenho - Jana Salles, beijos! E Fiquei refletindo em sua última postagem, pois o blog está desativado desde 2010, mas suas palavras podem ser inseridas no contexto agora. Vou reproduzir a parte que mais me marcou, e espero que vocês visitem-no, pois há muitas reflexões legais lá, imortalizadas pela internet. Vamos ao texto - o texto na integra e o endereço do site são: http://jkistenmacker.blogspot.com.br/  


"Reparem em quantas vezes as pessoas enxergam você, da forma como você se construiu de verdade. Poucas pessoas tem a sensibilidade de nos enxergar alem dos defeitos e dos desajeitos. É como se uma soma de dias ruins, fossem o suficiente para que se julgamento já estivesse pré-determinado. Não importa, uma vez que você tenha tido este julgamento, quantas vezes você tenha sido leal, nem quantas vezes você tenha sido amigo, ou companheiro. O que valerá destes momentos serão as exceção que eles se tornaram, ou seja. Você ser bom é novidade! É como se de alguma forma, a máscara suja sempre fosse seu rosto ruim!
Você nunca será bom...
Tente aceitar... as pessoas sempre encontrão modelos perfeitos para diminuir seu ser. E não importa o quanto você se assemelhe a ele. Você sempre será julgado por seus dias ruins.
O que vale então tirar disso é a tentativa de fidelidade a si próprio. Esqueça todos a sua volta. Lembre-se que, quem te ama de verdade, já te ama pelo o que você é. E não tente ser o que não pode para agradar alguém que sempre se lembrará de seus dias ruins... seus dias bons serão sempre exceção." 
Jana K. Salles


Estava refletindo como as pessoas continuam a ver a gente como éramos no passado. Elas nos congelam como Sorvete Magnum  se não pudéssemos mudar, não pudéssemos ir além do esperado. Amados, ninguém pode ser mais aquele ser humano de outrora, pois as experiências já lhe acrescentaram mais maturidade, mais choros, mais alegrias, muito mais mudanças.

Apegar-se às pseudo-verdades sobre os outros só lhe trarão dificuldade maiores em relacionar ou não com elas. 
  • Experimente conhecê-los novamente;
  • Tente "se apaixonar" por aquela pessoa como se fosse a primeira vez;
  • Não fique pressupondo seus atos: às vezes, nem elas saberão o que vão fazer;
  • E por último, permita-se: as pessoas mudam, e com isso, nossas verdades sobre elas também.
Deixar ter um novo olhar sobre os outros pode nos levar a refazer laços ou ressignificá-los, superando dificuldades, que muitas vezes foram problematizadas por todos os envolvidos estarem imaturos, ou ainda incompletos. Tudo gira nessa vida e, com isso, há inúmeras mudanças em todos nós...
Mais uma vez, permita-se.

θ '