Novidades



                      Antonio Gramsci nasceu no norte da ilha mediterrânea da Sardenha. Era o quarto dos sete filhos de Francesco Gramsci. Sua família passou por diversas comunidades da Sardenha até finalmente instalar-se em Ghilarza. A obra escrita de Antonio Gramsci é normalmente dividida cronologicamente em antes e depois da sua prisão pela ditadura fascista italiana.
                     No período pré-cárcere, Gramsci escreveu ensaios sobre literatura e teoria política, publicados em jornais operários e socialistas. No Brasil, uma parte desses textos foi publicada no livro Escritos políticos.Do período passado no cárcere, há duas obras: as Cartas do cárcere, contendo mensagens escritas a parentes ou amigos e que foram posteriormente reunidas para publicação, e os 32 Cadernos do Cárcere, de 2.848 páginas, que não eram destinados a publicação: trazem reflexões e anotações redigidas entre 8 de fevereiro de 1929 e agosto de 1935, quando seus problemas de saúde se agravam. Foi Tatiana Schucht, sua cunhada, que os organizou, sem todavia levar em conta sua cronologia.
                      Depois do final da guerra, os Cadernos, revisados por Felice Platone, foram publicados pela editora Einaudi – juntamente com as cartas que, da prisão, escritas aos familiares – em seis volumes, ordenados por temas, com os seguintes títulos:

  • Il materialismo storico e la filosofia di Benedetto Croce 1948
  • Gli intellettuali e l'organizzazione della cultura 1949
  • Il Risorgimento 1949
  • Note sul Machiavelli, sulla política e sullo Stato moderno 1949
  • Letteratura e vita nazionale 1950
  • Passato e presente 1951
  • Foi somente em 1975, graças a Valentino Gerratana, que os Cadernos foram publicados segundo a ordem cronológica em que foram escritos. Também foram reunidos, no mesmo volume, todos os artigos de Gramsci publicados no Avanti!, no Grido del popolo e em L'Ordine nuovo.


               A influência póstuma de Gramsci encontra-se associada principalmente aos mais de trinta cadernos de análise que escreveu durante o período em que esteve na prisão. Esses trabalhos contêm seu pensamento sobre a história da Itália e o nacionalismo, bem como ideias sobre teoria crítica e educacional que são frequentemente associadas ao seu nome, tais como:

  • hegemonia cultural;
  • ampliação da concepção marxista de Estado;
  • necessidade de educar os trabalhadores e de formar intelectuais provenientes da classe trabalhadora que ele denomina intelectuais orgânicos;
  • distinção entre a sociedade política e sociedade civil;
  • historicismo absoluto;
  • crítica do determinismo econômico;
  • crítica do materialismo filosófico.
  • análise do americanismo e do fordismo
  • Hegemonia e bloco hegemônico
  • Gramsci é famoso principalmente pela elaboração do conceito de hegemonia e bloco hegemônico, e também por focar o estudo dos aspectos culturais da sociedade (a chamada superestrutura no marxismo clássico) como elemento a partir do qual poder-se-ia realizar uma ação política e como uma das formas de criar e reproduzir a hegemonia.

                     Alcunhado em alguns meios como "o marxista das superestruturas", Gramsci atribuiu um papel central à separação entre infraestrutura (base real da sociedade, que inclui forças produtivas e relações sociais de produção) e superestrutura (a ideologia, constituída pelas instituições, sistemas de ideias, doutrinas e crenças de uma sociedade), a partir do conceito de "bloco hegemônico". Segundo esse conceito, o poder das classes dominantes sobre o proletariado e todas as classes dominadas dentro do modo de produção capitalista, não reside simplesmente no controle dos aparelhos repressivos do Estado. Se assim fosse, tal poder seria relativamente fácil de derrocar (bastaria que fosse atacado por uma força armada equivalente ou superior que trabalhasse para o proletariado).
                          Este poder é garantido fundamentalmente pela "hegemonia" cultural que as classes dominantes logram exercer sobre as dominadas, através do controle do sistema educacional, das instituições religiosas e dos meios de comunicação. Usando deste controlo, as classes dominantes "educam" os dominados para que estes vivam em submissão às primeiras como algo natural e conveniente, inibindo assim sua potencialidade revolucionária. Assim, por exemplo, em nome da "nação" ou da "pátria", as classes dominantes criam no povo o sentimento de identificação com elas, de união sagrada com os exploradores, contra um inimigo exterior e a favor de um suposto "destino nacional" de uma sociedade concebida como um todo orgânico desprovido de antagonismos sociais objetivos. Assim se forma um "bloco hegemônico" que amalgama a todas as classes sociais em torno de um projeto burguês. O poder hegemônico combina e articula a coerção e o consenso.
                     A hegemonia é o conceito que permite compreender o desenrolar da história italiana e da Ressurreição particularmente, que poderia ter adquirido um carácter revolucionário se contasse com o apoio de vastas massas populares, em particular dos camponeses, que constituíam a maioria da população. Limitou o alcance da revolução burguesa em Itália o facto de não ser guiada por um partido jacobino, como em França, onde a participação camponesa, apoiando a revolução, foi decisiva para a derrota das forças da reação aristocrática.
                      Concluímos que, para Gramsci, o mais importante no desenvolvimento de uma revolução proletária seja se estabelecer-se uma revolução cultural, a qual ao mudar todo o sistema de crenças, valores e tradições de um povo, muda sua própria forma de pensar e traz até mesmo para as antigas elites conservadoras o modo de pensar da classe trabalhadora. Com vistas a efetivar este projeto de revolução cultural (o qual para Gramsci torna possível até mesmo prescindir do uso da força física para se manter caso seja bem feito), o autor pensa em duas estratégias: 
  • 1) A escola Unitária; 
  • 2) O intelectual orgânico. 
                   Na escola unitária (única, mas também unitária) o indivíduo estaria presente em uma escola em que os trabalhadores intelectuais e os trabalhadores manuais freqüentam esta mesma escola (e por isto é única), igualmente nesta escola são aprendidos conteúdos relativos á formação profissional e à cultura clássica (e por isto a escola é unitária do ponto de vista do conhecimento). é nesta escola chamada por Gramsci de Escola Unitária, que será formado o Intelectual Orgânico, que nada mais é do que o sujeito que possui ao mesmo tempo um comprometimento com a classe a que se vincula e um saber (erudito e técnico-profissional) que o distingue dos demais. 
                     É através da mobilização política promovida pelo intelectual orgânico e pelos conteúdos escolares que não mais estabeleceriam distinção entre o trabalho intelectual e o trabalho material (braçal) que a revolução cultural aconteceria. A luta armada não ocorreria neste caso, pois todos estariam unificados o ponto de vista da cultura. Dedico este artigo a todos os leitores do Shvoong, em especial àqueles que são meus alunos de uma Universidade 
Agosto:



III Encontro Mundial sobre o Ensino de Português – III EMEP- Focus Brazil Foundation
1 a 2 de agosto
Columbia University – Nova Iorque

17th World Congress of the International Association of Applied Linguistics (AILA World Congress 2014)
10 a 15 de agosto
Austrália

X SEMINÁRIO DA REDE ESTRADO - Rede Latino-Americana de Estudos sobre Trabalho Docente
12 a 15 de agosto de 2014
Salvador

13th International Conference on the History of the Language Sciences - ICHoLS XIII
25 a 29 agosto
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) – em Vila Real(Portugal)

SEMINÁRIO REGIONAL DE PESQUISA SOBRE FORMAÇÃO E PROFISSÃO DOCENTE
 27 e 28 de agosto
Instituto de Ciências Humanas e Sociais – ICHS /UFOP (Mariana – MG)
 http://foprofiufop.wix.com/foprofi

3o Colóquio Internacional de Estudos Linguísticos e Literários – CIELLI
27 a 29 de agosto
UEM

I Encontro Internacional e VII Encontro Nacional – Estudos da Linguagem no Centro-Oeste em perspectiva de internacionalização
Universidade Estadual de Goiás – Cidade de Goiás – GO
27 a 29 de agosto

 2d Internacional Congress of Science Education
27 a 30 agosto
Foz do Iguaçu

V Encontro Internacional de Leitura e escritura no ensino superior e IX Seminário sobre leitura e produção no ensino superior
28 a 30 de agosto
Bucaramanga – Colômbia 

X Seminário – Linguística Formal
28 e 29 de agosto
UFRGS

 

Setembro


V International Conference Critical Approaches to Discourse Analysis across Disciplines
1 a 3 de setembro
Budapeste – Hungria

VIII Congresso Brasileiro de Hispanistas
2 a 5 de setembro
URFJ

V EEL - Encontro de Estudos Literários da UEMS: “Questões em torno do marginal: entre a tradição e a inovação
08 a 10 de setembro
UCDB - Campo Grande-MS
http://www.uems.br/eventos/eel/

I SELIN – Seminário de Estudos Linguísticos da UNESP
09 a 11 de setembro
UNESP – Araraquara

4th International Conference Apllied Linguistics and Professional Practice
10 a 13 de setembro
Genebra – Suiça

I Congresso Ibero-Americano de Humanidades, Ciências e Educação: Perspectivas Contemporâneas
10 e 13 de setembro
Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC

I Internacional y VIII Nacional - Análisis de discursos contemporáneos: desafíos y perspectivas
10 a 12 de septiembre

  
IV SENEPT – Seminário Nacional de Educação Tecnológica de Minas Gerais
15 a 17 de setembro
CEFET – Belo Horizonte – MG


XI Colóquio sobre Questões Curriculares/VII Colóquio Luso-Brasileiro e I Colóquio Luso-Afro-Brasileiro de Questões Curriculares
18 a 20 de setembro
Universidade do Minho – Braga – Portugal

II Colóquio Internacional Literatura e Gênero: Relações de gênero, alteridade e poder
24 a 26 de setembro
Terezina, PI

Encontro Internacional METÁFORAS NAS LÍNGUAS INDÍGENAS – Abordagem Empírica Linguística e Cognitiva
24 a 26 de setembro
Brasília


Outubro


25ª JORNADA NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS DO NORDESTE – GELNE
01 a 04 de outubro
Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN

III Congresso Internacional de Dialetologia e Sociolinguística: Variação, atitudes linguísticas e ensino
 7 a 10 de outubro
UEL – Londrina – Paraná

IV SIELP – Simpósio Internacional de Ensino de Língua Portuguesa
08 a 10 de outubro 
Universidade Federal de Uberlândia

VIII Encuentro Internacional “La educación hoy: más allá de la diversidad” 
16  a 18 de outubro
Medellín, Colombia
http://riie.iztacala.unam.mx/index.php

 

V Congresso Latino-Americano de Formação de Professores de Línguas 
21 a 23 de outubro
UFG – Goiás

X Conferência Internacional EUTIC - O papel das TIC no desenho dos processos informacionais e cognitivos
22 a 24 de outubro
Universidade Nova de Lisboa

VI Seminário Corpo, Gênero e Sexualidade
24 a 26 de setembro
FACED – UFJF
http://www.corpogenerosexualidade.com/

Seminário Internacional de Educação Superior – Formação e Conhecimento

26 a 28 de outubro
UNISO – Universidade de Sorocaba
http://www.uniso.br/hs/sies/default.asp
   
X Seminário de Pesquisa em Educação da região Sul
26 a 29 de outubro
Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC / Florianópolis 

II Semana da FACED / VII Semana da Educação/ X Seminário Anual de Pesquisa em Educação do PPGE
27 a 30 de outubro
FACED – UFJF
http://www.ufjf.br/semanadafaced/

 V Congreso Lucentino. Fraseología, Variaciones, Diatopía y Traducción
28 a 30 de outubro
Universidad de Alicante – Espanha

IV Fórum de Linguística Aplicada e Ensino de Línguas
29 a 31 de outubro
Universidade Federal do Ceará
(site em construção)

 

7º CIPLE – Congresso Internacional do Ensino de Português como Língua Estrangeira – e V SEPFE – Simpósio sobre Ensino de Português para Falantes de Espanhol
29 a 31 de outubro
México


Novembro


II SEDiAr – Seminário de Estudos sobre Discurso e Argumentação
5 a 7 de novembro
UFMG

XVII ENDIPE – Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino
11 a 14 de novembro de 2014
Universidade Estadual do Ceará

II Jornadas Internacionais - Descobrindo Culturas em Língua Portuguesa
11 a 14 de novembro 
Universidad Nacional de Córdoba – Facultad de Lenguas
Córdoba - Argentina 


XI Encontro do CELSUL – Círculo de Estudos Linguísticos do Sul
12 a 14 de novembro
Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Chapecó/SC

5º COLSEMI – Colóquio Internacional de Semiótica 
12 a 14 de novembro
UERJ

XII Seminário de Linguística Aplicada e VIII Seminário de Tradução
 
14 a 16 de novembro
 
UFBA, PAF III, Campus Universitário de Ondina (Salvador – BA)
 
http://www.slastrad2014.ufba.br/ 
 
 
II Simpósio Nacional sobre Linguagem Humorística: Focalizando Quadrinhos
19 a 21 de novembro
Universidade Federal do Espírito Santo – Vitória/ES

Seminário de Estudos do Discurso: Discursos e poderes na contemporaneidade
24 a 26 de novembro
UFBA
Informações: sedisufba2014@gmail.com


Dezembro

IV CONGRESSO INTERNACIONAL DA AILP - A Língua Portuguesa na Ásia sob a perspectiva da superdiversidade: Ensino, Pesquisa e Promoção
03 a 05 de dezembro
Universidade de Macau – China
ailp2014congresso@gmail.com


Esta pesquisa acadêmica tem como objetivo a compreensão da Inclusão dos alunos com deficiências no contexto escolar, e como suas necessidades são saciadas. Temos como instrumentos norteadores tanto as Teorias de Desenvolvimento de Piaget, Vygotsky e Wallon quanto os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) e a Constituição Federal como base para o debate pedagógico.
Escolhemos a Escola pesquisada por suas  duas características extremamente relevantes para o trabalho:
·         Idade de existência da fundação;
·         Público atendido pela mesma;
Ao analisarmos os dados desta pesquisa, objetivamos demonstraras dificuldades enfrentadas tanto pelos profissionais quanto pelo alunado em coexistir.

Tabela 1 - Como é a Socialização dos  alunos com  necessidade especiais (e/ou deficiência) entre os demais Alunos?
Opções de Respostas
Quantidade de Respostas
Regular
0
Bom
2
Excelente
1
Fonte: Fundação Ricardo Moisés Jr.



Tabela 2 - Avalie a aquisição de conhecimento do Aluno Com Deficiência:
Opções de Respostas
Quantidade de Respostas
Regular
1
Bom
2
Excelente
0
Fonte: Fundação Ricardo Moisés Jr.



Tabela 3 - Como é o rendimento do Aluno Com Deficiência em Relação a outros Alunos?
Opções de Respostas
Quantidade de Respostas
Regular
2
Bom
1
Excelente
0
Fonte: Fundação Ricardo Moisés Jr.












 Sequencia Didática – Trabalhar o Plural com Toda a turma incluindo Deficientes auditivos.

Conteúdo: Plural
Período: 5 aulas de 50 minutos
Faixa etária: alunos do 3º ano do Ensino Fundamental (8 anos)
Recursos: Imagens, jornal, revista, cartolina, papel cartão, tesoura, colar, lápis de cor, etc.
Objetivo: Trabalhar o plural com toda a turma incluindo deficientes auditivos considerando que em sua língua (Libras) não se usa o plural, conscientizando a todos os alunos as regras gramaticais possibilitando o aprendizado de maneira uniforme.
Procedimentos: Reunir toda turma e formar um círculo para apresentar as regras de plural, expondo figuras que destacam a diferença entre plural e singular.
Atividade 1: Após a explicação das regras sobre plural, o professor distribui uma folha com atividades propondo que o aluno complete lacunas de acordo com as figuras apresentadas, identificado se é singular ou plural.
Ressaltando a todo momento que todas as atividade também serão direcionadas a incluir o aluno com Deficiência auditiva , compreendendo que o mesmo só usará as regras na escrita.



Atividade 2:  O professor divide a turma em dois grupos, os quais deverão confeccionar cartazes plural x singular. Serão entregue fichas com palavras nos singular e no plural para os mesmos identificarem em qual cartaz se adequa. Em seguida eles deverão procurar em revistas e/ou jornais, previamente entregue, figuras correspondente às palavras e sua quantidade para finalizar o cartaz.
Atividade 3:  Jogo da memória. A turma irá confeccionar um jogo da memória individual Plural/Singular. Serão entregue uma folha com os desenhos propostos para os alunos colorir, em seguida irão colar em um papel cartão e recortar. Os pares deverão ser formados por figuras uma no singular e a outra no plural.


 Avaliação: Registro do Envolvimento de toda turma nas atividades propostas, suas intervenções, interpretações e questionamentos em cada etapa.




CONCLUSÃO

Concluímos que estamos em andamento com o processo de inclusão, contudo ressaltamos que ainda precisa de grandes adaptações para o bom êxito do desenvolvimento ensino e aprendizagem na visão inclusiva.